Repatriação digital de coleções bioculturais: conectando comunidades de saber indígenas e científicas na Amazônia

BY Luciana Martins , POSTED IN All Projects, Amazon

Este projeto reúne uma equipe internacional e interdisciplinar de pesquisadores indígenas e não-indígenas e curadores do Reino Unido, do Brasil a da Alemanha para desenvolver um portal digital de coleções bioculturais.

Procuramos desenvolver uma prática de curadoria mais inclusiva, com o enriquecimento de dados e a promoção do dinamismo e da contínua criação do patrimônio biocultural digital. Relacionando as coleções bioculturais coletadas pelo botânico inglês oitocentista Richard Spruce (que se encontram nos Jardins Botânicos Reais de Kew e no Museu Britânico), àquelas coletadas no início do século XX pelo etnólogo alemão Koch-Grünberg (que se encontram no Museu Etnológico de Berlim), e aos saberes das comunidades de onde as coleções originaram, o projeto procura reanimar os artefatos, tranformandos em fonte de inspiração para a produção de novos artefatos, que serão eventualmente doados ao Museu Nacional do Rio de Janeiro em 2020.

Parte de um programa de pesquisa que vem sendo desenvolvido pelos Jardins Botânicos Reais de Kew e o Birkbeck, Universidade de Londres, desde 2015, nossos parceiros incluem

o Museu Britânico e
o Museu Etnológico de Berlim na Europa, e, no Brasil,
o Instituto Socioambiental (ISA),
o Jardim Botânico do Rio de Janeiro e a Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN).

Avançando métodos de curadoria, o projeto visa desenvolver protocolos para o acesso digital aos materiais de patrimônio biocultural, que serão documentados no relatório final. As soluções práticas, locais, dirigidas às comunidades, que procuramos alcançar com este projeto, visam fornecer material para refletir sobre as implicações práticas e éticas de repatriação digital de coleções em geral, assim como as de facilitar o acesso das mesmas ao público mais abrangente.